Síndrome do Gato Paraquedista

Curiosos e destemidos, felinos sofrem da síndrome do gato paraquedista: uma queda que pode levar a graves lesões. 

Os gatos são animais super espertos. Dentro das residências e apartamentos, geralmente não param quietos – a não ser que estejam dormindo. Justamente por serem curiosos e destemidos, os felinos correm mais riscos de sofrer acidentes.
Em grandes cidades, onde os apartamentos acabam sendo a principal forma de moradia, nem sempre é fácil criar um animal de estimação. Os gato têm sido um opção constante para esse tipo de moradia, visto que eles são mais independentes e exigem menos espaço que os cães. E não existe uma raça específica para viver em apartamento, isso porque para os gatos,o mais importante é a forma como são tratados.

Diferente dos cães, os gatos sobem nos parapeitos das janelas e sacadas para observar o movimento. 
O problema é que, às vezes, por serem tão curiosos, eles passam do limite e ficam propensos a grandes quedas, que têm até nome: síndrome do gato paraquedista.  Os gatos são caçadores natos, e estão sempre atentos aos movimentos ao seu redor. Logo que avistam algo em movimento eles pulam em direção ao objeto. Eles não se preocupam em qual andar estão, se tem algo se mexendo eles tentam “atacar” e acabam, muitas vezes, caindo de janelas e parapeitos. 
De acordo com o veterinário Ronivan Gobbi, da Clinicão, não há comprovação científica de que os bichanos tentem suicídio quando caem da janela. “Isso não existe. O que acontece é que os gatos não param e, sem medo de altura, podem cair. Além disso, é possível também que eles observem pássaros passando, mosquitos ou borboletas e queiram atacar. Eles têm o extinto da caça.”

Dificilmente um gato vai se jogar pela janela porque está estressado. Pode ocorrer, mas são fatos isolados, comenta o veterinário. “É errado pensar que o gato se matou, isso traz muito sofrimento ao dono, gera um sentimento de culpa. Devem ser tomadas medidas para prevenir o problema”, comenta.

Lesões graves devido a queda

Junto com os atropelamentos e brigas de rua, as quedas são as maiores causas de morte e lesões graves nos bichanos. Segundo Roni, a gravidade da lesão vai depender da altura e dos órgãos atingidos. Geralmente, abaixo do 5º andar, os danos são nos membros. “O gato sofre fraturas”, salienta o veterinário. O gato tem o hábito de cair sempre em pé.

Acima do 5º andar, a queda pode ser ainda mais grave, porque o animal não consegue virar o corpo. “Ele vai abrir os membros anteriores e posteriores na tentativa de diminuir a velocidade da queda e isso até ameniza o impacto, mas não reduz os problemas. Pelo contrário. Esse tipo de choque origina lesões de tórax e cabeça.” Infelizmente, com o corpo exposto, as lesões atingem diretamente os órgãos vitais. No entanto, quedas do 1° e 2° andar são tão graves quanto aquelas que acontecem de locais mais altos.

Para o veterinário Richard Filgueiras, doutor em cirurgia ortopédica e secretário-geral da Associação Brasileira de Ortopedia e Traumatologia Veterinária, quando o gato cai entre o terceiro e o quinto andares não existe tempo hábil para que ele se posicione corretamente e, por isso, as lesões são mais graves. “Devemos considerar fatores externos, como a presença de toldos, aparelhos de ar condicionado e árvores em que o animal pode se chocar durante a queda e dificultar seu posicionamento”, afirma Filguei­ras.

Telas de proteção, Ambiente enriquecido e Alimentação Adequada

Para evitar que o bichano sofra esses riscos, o dono pode investir em telas na sacada e janelas, ou deixá-las sempre trancadas quando os animais estiverem sozinhos. Além da tela na janela, para manter o bem-estar dos gatinhos é preciso incentivar as atividades físicas e cuidar da alimentação. Enriquecer o ambiente com brinquedos, para que o gato não fique entediado, é uma ótima ideia. 

Roni lembra novamente que o termo “gato suicida” é totalmente inadequado, não deve ser usado. Ele diz também que, na maioria dos casos, depois de uma queda os gatos ficam receosos. “Eles tendem a ficar com o trauma de altura e evitam esses lugares. Mas os cuidados devem continuar

A recuperação em caso de fraturas é lenta. Muca, uma gata de Francisco Beltrão, caiu da janela e está em tratamento na clínica veterinária há mais de um mês. Ela se recupera bem, mas deu um susto na família.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: