Medicamentos Humanos que intoxicam Cães e Gatos

  
Para todos os proprietários de animais de estimação, é muito importante  ter o conhecimento de que alguns medicamentos humanos podem ser venenosos para os seus animais. 

Anti-inflamatórios não-esteroides (AINES)

Os anti-inflamatórios não-esteroides são medicamentos utilizados em humanos para combater inflamações, acalmar a dor e baixar a temperatura do corpo. Muito utilizados para o alivio da dor. Neste grupo encontram-se alguns dos medicamentos mais utilizados pelos humanos. Os nomes mais conhecidos neste grupo são: ácido acetilsalicílico(Aspirina) , ibuprofeno e naproxeno. São medicamentos muito perigosos para seus animais.


 Por serem comuns em casa e por serem talvez os medicamentos que os humanos utilizam sem consultar os médicos são provavelmente os mais dados aos animais. Consequentemente, o maior número de casos de intoxicação nos cães e gatos resulta efetivamente da administração destes medicamentos.

Estes medicamentos podem provocar úlceras no estômago e

intestinos e, no caso dos gatos, problemas nos rins.

Doses Tóxicas: Se o animal estiver consumido qualquer quantidade de AINES humanos, entre em contato com o veterinário imediatamente. Dado que, os AINES humanos irão certamente causar úlceras gástricas potencialmente fatais. Em doses tóxicas isso pode variar.

Acetaminofeno ou Paracetamol

Próximo do grupo anterior, mas praticamente sem propriedades anti-inflamatórias está o acetaminofeno ou paracetamol (Ben-u-ron e similares).

 Um dos principais problemas que este medicamento pode causar é a destruição dos glóbulos vermelhos e prejudicar o transporte de oxigénio, o que pode ser fatal.


O paracetamol é extremamente tóxico para os gatos. Eles são intoxicados com doses menores em relação aos cães. Os sintomas iniciais de intoxicação incluem vômitos, salivação, descoloração da língua e gengivas.

Esse produto não dever ser usado terapeuticamente em cães e gatos, devido a sua toxicidade e a disponibilidade de tratamentos alternativos.

Antidepressivos  


Os desequilíbrios químicos podem afetar nosso humor e nossa estabilidade mental. Um crescente número de pessoas estão fazendo uso desses tipos de medicamentos. Os exemplos incluem: Prozac e o Zoloft.
Esses antidepressivos são geralmente receitados por psiquiatras para tratar problemas como depressão, ansiedade, alterações de humor, etc.
Nos cães e gatos estes medicamentos podem levar à letargia e vômitos como sinais de uma overdose. Em alguns casos, uma condição conhecida como síndrome de serotonina pode ocorrer. Animais de estimação irão apresentar temperatura corporal elevada, aumento da freqüência cardíaca e pressão arterial, bem como desorientação e vocalização em alguns casos.

Doses tóxicas podem variar. Contacte o seu veterinário se o animal ingerir alguns destes medicamentos.

Vitamina D e derivados  

A vitamina D é freqüentemente usada em seres humanos para tratar a psoríase (doença de pele). Ela está disponível em pomadas ou soluções.

Os cães e gatos são particularmente sensíveis a fármacos com vitamina D ou calciferol. Quando ingeridos podem levar a picos de cálcio no sangue dos animais que provocam vômitos, perda de apetite, falha de rins nas 24 horas após a exposição.

Doses tóxicas para animais de estimação são muito pequenas.Como pode ser difícil de quantificar a quantidade que o seu animal ingeriu, você deve contactar o veterinário no caso de ingestão.

Baclofeno

O Baclofeno é utilizado para tratar os sintomas musculares causados pela esclerose múltipla e doenças da coluna vertebral, incluindo dor, espasmos e rigidez.

Pode interferir no sistema nervoso central dos animais, causando desorientação, ataques, coma e mesmo a morte. Os cães mostram sinais de vômito, fraqueza e desorientação. Dispnéia e insuficiência respiratória podem ocorrer.

O prognóstico não é bom. Pelo fato de mortes ocorrerem a partir de uma pequena  quantidade da droga, um comprimido de 10mg.

Metilfenidato

 

Os medicamentos que têm este princípio ativo (Ritalin, por exemplo) são utilizados no tratamento da Hiperatividade e Déficit de Atenção.
Nos cães e gatos, os medicamentos produzidos com metilfenidato agem como estimulantes, elevando o ritmo cardíaco, pressão sanguínea e temperatura, podendo causar ataques. Além disso, tem o potencial de causar arritmias cardíacas e convulsões.

Um comprimido de 5 mg pode ser fatal para um gato ou um cão de pequeno porte. Os comprimidos mais comuns de 15 ou 20 mg pode ser fatal para qualquer cão se não for tratada a intoxicação a tempo.

Fluorouracila

Esta droga anticancerígena é utilizada para tratar pequenos cancros na pele de humanos. Compressas descartadas de algodão, usadas ​​para aplicação dessa medicação, são fontes principais de intoxicações por animais de estimação.

Este medicamento é rapidamente fatal, causando vômitos graves, convulsões e até parada cardíaca. Não deve jamais ser usado em gatos.

Qualquer contato não intencional desse fármaco com o seu animal de estimação é motivo para chamar um médico veterinário.

Isoniazida

Geralmente utilizado no combate à tuberculose em humanos. Extremamente perigosa para cães. Os cães são particularmente sensíveis pois não conseguem fazer a metabolização deste princípio ativo de forma tão eficaz como os humanos ou até outros animais.

Em caso de um quadro tóxico eles apresentam convulsões graves e, em seguida, entram em um estado de estupor.

Doses tóxicas: Cinco comprimidos de 300 mg são fatais para um cão de 4,5kg.

Pseudoefedrina

Utilizada como descongestionante nasal, a pseudoefedrina não seria à partida algo com que nos devêssemos preocupar. A verdade é que nos animais atua como um estimulante e pode provocar o aumento da frequência cardíaca, temperatura e pressão sanguínea e causar ataques com tremores e convulsões.

Antagonistas beta

São medicamentos sobretudo utilizados para prevenir e controlar crises de arritmia. A ingestão de pequenas doses pode causar problemas sérios nos animais. Levando à diminuição da pressão sanguínea e do ritmo cardíaco podendo colocar o animal numa situação de risco de vida.

Estes são alguns dos fármacos mais perigosos para os cães e gatos.

Não dê qualquer medicamento ao seu animal sem antes consultar um veterinário. 

Lhasa Apso x Shih Tzu – Diferenças (físico e temperamento)

Muitas pessoas não entendem as diferenças entre essas duas raças, e acabam comprando somente pela aparência acreditando ser de uma mesma raça. Mesmo porque, as duas raças são “fofinhas” e despertam a atenção de muitas pessoas, principalmente das crianças, pois se assemelham a um bichinho de pelúcia.

Porém, para quem tem uma criança pequena é importante saber diferenciar as raças, e de preferência optar pelo Shih Tzu, devido ao temperamento desse animal. Em contrapartida, se não tiver criança em casa e o animal for passar a maior parte do dia sozinho a escolha ideal seria o Lhasa Apso, por ser um cãozinho mais independente, com personalidade bem definida.

Imagem: www.adoropets.com.br

 Shih Tzu

  • Cabeça: larga, redonda, profusamente peluda, com pêlos caindo sobre os olhos, boa barba e bigodes;
  • Focinho: bem largo, curto;
  • Olhos: grandes, redondos, escuros, inseridos bem separados;
  • Orelhas: grandes, com lóbulos longos, portadas caídas, inseridas ligeiramente abaixo da abóbada craniana;
  • Pelagem: longa, densa não cacheada, com bom subpêlo. Uma leve ondulação é permitida;
  • Peso e Altura:  O peso ideal de 4,5 a 7,3Kg . Altura máxima na cernelha, 26,7cm.
  • Aparencia: Robusto.
  • Temperamento: Dependente do dono, amigo, escolhe um dono mas faz festa para todos da casa. Super paciente com crianças. Sociável com visitas. Quase nao late. Brincalhão, adora um colo.Muito Inteligente, costumam ser observadores em tudo, aprendem rápido. Porém em obediência ele é um pouco teimoso, as vezes fingem que não ouvem o dono.
  •  Grau de destrutividade:  Não costuma ser muito problemático.
Lhasa Apso
  • Cabeça: Pelagem abundante na cabeça, com queda sobre os olhos. Barba e bigodes bem desenvolvidos. Crânio moderadamente estreito diminuindo atrás dos olhos, não deve ser perfeitamente plano mas também não deve ser abobadado ou em forma de maçã.
  • Focinho: reto e trufa preta.
  • Olhos: escuros, ovais de tamanho médio.
  • Orelhas: caídas com pelagem densa.
  • Pelagem e cor: A pelagem deve ser longa, pesada, lisa, áspera, nem lanosa nem sedosa, com subpêlo moderado. Todas as cores são aceitas: dourado, areia, mel, mesclado escuro, malhado, esfumado, particolor, preto, branco e castanho
  • Peso: Normalmente ficam entre 6 e 7 Kg.
  • Corpo e Tamanho: o Lhasa Apso é um cão retangular, o que de certa forma se contradiz com o termo compacto, que pelo glossário do AKC significa “de corpo curto”, na realidade o que se deseja afirmar é que é um cão musculoso (“sólido”) e pesado (nunca um “Toy”) e que as proporções são tais, que sua aparência não dê a impressão de um cão longo.
  • Mordida: deve ser tesoura invertida(na oclusão, os incisivos superiores tocam, com a face externa, a face interna dos incisivos inferiores).
  • Aparência: Bem balanceado, vigoroso com pelagem densa,
  • Temperamento: Alegre e auto-confiante, com temperamento alerta, estável, mas muito reservado com estranhos. Por ser um cão bastante independente, o Lhasa pode muitas vezes dominar o dono, caso este não saiba impor limites. Apesar de normalmente não serem agressivos, não costumam ser muito tolerantes com brincadeiras de crianças e podem, facilmente, morder para se ver livre de mãozinhas indelicadas. Também não são muito afeitos a carinhos de estranhos, sendo geralmente reservados com as visitas.  Com os donos eles são alegres e “palhaços”, basta haver uma platéia de plantão que o Lhasa está pronto para fazer gracinhas e ganhar corações.

 

Montagem feita por Rosana Knapp, proprietária do Canil Knapp. 

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: